MACAPÁ, CAPITAL DO ESTADO DO AMAPÁ

MACAPÁ, CAPITAL DO ESTADO DO AMAPÁMacapá, Capital do Estado do Amapá

Macapá é um município brasileiro, capital e maior cidade do estado do Amapá. Situa-se no sudeste do estado e é a única capital estadual que não possui interligação por rodovia a outras capitais. Além disso, é a única cortada pela linha do Equador e que é localizada às margens do Rio Amazonas. Macapá pertence à mesorregião do Sul do Amapá e à microrregião homônima. É localizada no extremo norte do país, a 1.791 quilômetros de Brasília.

Área: 6.407,123 km² 
População: 422.500 hab. 

Macapá, Capital do Estado do Amapá
Macapá, Capital do Estado do Amapá
Macapá, Capital do Estado do Amapá
Macapá, Capital do Estado do Amapá
Macapá, Capital do Estado do Amapá
Macapá, Capital do Estado do Amapá
Macapá, Capital do Estado do Amapá

PROCESSO DE URBANIZAÇÃO MUNDIAL

A urbanização mundial

Processo de Urbanização Mundial

Os países mais desenvolvidos

No século XIX, a urbanização foi mais intensa nos países que realizaram a Revolução Industrial e que constituem hoje países desenvolvidos. A partir do século XX, o ritmo de urbanização diminuiu nesses países. No pós-guerra, a concentração humana e a elevação do poder aquisitivo das populações dos países mais desenvolvidos produziram um grande aumento do consumo de bens e serviços, que favoreceu a expansão do setor terciário da economia. Com o desenvolvimento da tecnologia industrial , a produtividade aumentou e as necessidades de mão-de-obra se reduziram. Parte da população ativa no setor secundário foi para o setor. Depois de 1980 os setor terciário e a prestação de serviços aderiram aos avanços tecnológicos da informática.

Os países subdesenvolvidos

O século XX se caracterizou pela urbanização dos países subdesenvolvidos. O ritmo se acelerou a partir de 1950, devido ao aumento das taxas de crescimento populacional. A industrialização, formaram-se grandes cidades, com maior disponibilidade de emprego, conforto e ascensão social. A industrialização adotou um padrão tecnológicos muito mais moderno do que o utilizado pelas indústrias do século XIX, o que resultou na criação de menos empregos. Nessas cidades existe o setor terciário informal – aquelas atividades não regulamentadas, como a dos camelôs e biscateiros – cresce mais que o formal. A maior parte da população ainda vive na zona rural.

A urbanização na África

Na África a maior parte da população vive na zona rural, pois as atividades agrárias predominam na estrutura econômica de quase todos os países do continente. Os países da África são os que apresentam as taxas de urbanização mais elevadas entre os países menos desenvolvidos. Seus habitantes possuem uma renda anual inferior a 370 dólares. A urbanização africana ocorreu quando houve um grande aumento do consumo mundial de matérias-primas, combustíveis fósseis e produtos agrícolas.

A urbanização na Ásia

A Ásia, é o continente mais populoso do mundo, não tem uma tradição urbana. A população ainda é predominantemente rural. Vivem com uma renda como a dos africanos, inferior a 370 dólares por ano. A urbanização ocorreu com a oferta de trabalho das indústrias dos tigres asiáticos.

A globalização da cidade

Com a globalização, surgem as metrópoles mundiais e tecnopolos. É nessas metrópoles que se concentram grandes capitais, profissionais qualificados e tecnologia. O papel de metrópole mundial adquiriu tamanha importância na atualidade que passou a ser a meta perseguida por muitas cidades desenvolvidas. Os tecnopolos, por sua vez correspondem a centros urbanos que abrigam importantes universidades, instituições de pesquisa e os principais complexos industriais, onde se desenvolvem tecnologias avançadas e pesquisas científicas.

MAPAS GEOGRÁFICOS E HISTÓRICOS DA ÁFRICA

Mapas Geográficos e Históricos da África

A África é o terceiro continente (depois da Ásia e da América) a maior do mundo em área territorial. É delimitada a norte pelo Mar Mediterrâneo, a oeste pelo Oceano Atlântico, a sul da junção do Atlântico e Índico e a leste pelo Mar Vermelho e o Oceano Índico. Embora tenha uma área total de 30,272,922 quilômetros quadrados (621,600 em massa insular), o que representa 20,4% da população total da Terra é um bilhão de pessoas, menos de 15%. O continente está organizado em 54 países, todos eles membros da União Africano, com exceção de Marrocos.

Mapa da África
Mapa da África
Mapa da África
Mapa da África
Mapa da África
Mapa da África
Mapa da África
Mapa da África
Mapa da África
Mapa da África
Mapa da ÁfricaMapa da ÁfricaMapa da África
Mapa da África
Mapa da África
Mapa da África
Mapa da África
Mapa da África
Mapa da África
Mapa da África
Mapa da África
Mapa da África
Mapa da África

ÁFRICA - MAPAS HISTÓRICOS DA ÁFRICA

África - Mapas Históricos da África 

A África é o terceiro continente mais extenso (atrás da Ásia e da América) com cerca de 30 milhões de quilômetros quadrados, cobrindo 20,3 % da área total da terra firme do planeta. É o segundo continente mais populoso da Terra (atrás da Ásia) com mais de um bilhão de pessoas (estimativa para 2015 Apesar disso existem alguns países com um padrão de vida razoável, mas não existe nenhum país realmente desenvolvido na África. A Líbia, Maurício a e Seycheles têm uma boa qualidade de vida. Ainda há outros países africanos com qualidade de vida e índices de desenvolvimento razoáveis, como a maior economia africana, a África do Sul e outros países como Marrocos, Argélia, Tunísia, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe.

A África costuma ser regionalizada de duas formas, a primeira forma, que valoriza a localização dos países e os dividem em cinco grupos, que são a África setentrional, a África Ocidental, a África central, a África Oriental e a África meridional. A segunda regionalização desse continente, que vem sendo muito utilizada, usa critérios étnicos e culturais (religião e etnias predominantes em cada região), é dividida em dois grandes grupos, a África Branca ou setentrional formado pelos oito países da África do norte, mais a Mauritânia e o Saara Ocidental, e a África Negra ou subsaariana formada pelos outros 44 países do continente.


ÁFRICA - MAPAS HISTÓRICOS DA ÁFRICA

MONTENEGRO, ASPECTOS GEOGRÁFICOS E HISTÓRICOS DE MONTENEGRO

MONTENEGRO, ASPECTOS GEOGRÁFICOS E HISTÓRICOS DE MONTENEGROMontenegro, Aspectos Geográficos e Históricos de Montenegro

Montenegro (em servo-croata Crna Gora ou Црна Гора, literalmente "montanha negra") é uma pequena e montanhosa república situada nos Balcãs, no Sudeste da Europa, fazendo fronteira com o Mar Adriático a Sudoeste, com a Albânia e o Kosovo a Sudeste, com a Bósnia e Herzegovina e uma pequena fronteira com a Croácia a Oeste, e com a Sérvia a Norte. A sua capital é a cidade de Podgorica.

Entre 1945 e 1991 e desde então até 2003 foi uma das repúblicas constituintes da República Socialista da Jugoslávia e da República Federal da Jugoslávia, respectivamente; desde então e até Junho de 2006, foi uma das duas repúblicas que integraram o Estado da Sérvia e Montenegro.

Em 21 de Maio de 2006 realizou-se um referendo para determinar a vontade do povo de se tornar independente ou de manter a união com a Sérvia. Os resultados indicaram que 55.5% dos eleitores haviam escolhido a independência, poucos décimos acima dos 55% requeridos pelo referendo. Em 3 de Junho de 2006 o parlamento montenegrino declarou oficialmente a independência do novo país, mas só obteve aceitação da ONU dia 28 de Junho.

Atualmente, Montenegro está em pré-negociação para entrar na União Europeia.

História de Montenegro

Durante muito tempo, o Montenegro constituiu um principado autónomo face ao poder hegemónico que o Império Otomano exercia nos Balcãs. A sua independência foi formalmente reconhecida pelo Tratado de Berlim de 1878 (que também reconheceu a independência da Bulgária, da Roménia e da vizinha Sérvia).

Em 1910, o príncipe Nicolau proclamou-se rei. No entanto, o reino do Montenegro existiu durante apenas oito anos. Com o fim da Primeira Guerra Mundial, em 1918, o Montenegro foi integrado no Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos (não havendo no nome do estado qualquer referência aos montenegrinos, assim como aos bósnios ou aos macedónios), o qual se tornou em 1929 o reino da Jugoslávia.

Durante a Segunda Guerra Mundial, os guerrilheiros de Tito procuraram refúgio nas suas montanhas, e quando em 1944 a região foi libertada, o Montenegro tornou-se uma das seis repúblicas constituintes da República Socialista da Jugoslávia. Com o fim desta entidade no início da década de 90, quatro das repúblicas secederam e tornaram-se independentes; somente a Sérvia e o Montenegro lhe deram continuidade, formando a nova República Federal da Jugoslávia, governada por Slobodan Milošević, e com um grande predomínio da entidade sérvia dentro da federação.

Em 1992, no último referendo ocorrido para discutir a união com a Sérvia, cerca de 96% dos votos foram favoráveis a essa alternativa, ainda que apenas 66% da população tenha ido às urnas (as minorias muçulmana e católica, assim como alguns montenegrinos que não se reviam nessa união, boicotaram o referendo). De notar também que as condições de voto eram desiguais e injustas, tendo havido mesmo pessoas que votaram nas ruas. No entanto, desde então muitas coisas mudaram, e hoje a cena política montenegrina é significativamente diferente.

Bandeira de MontenegroDesde 1996 que o governo de Milo Đukanović isolou de facto o Montenegro da Sérvia (então sob o governo de Slobodan Milošević) em vários aspectos. O Montenegro desenvolveu uma política económica independente da sérvia, e trocou o dinar pelo marco alemão; actualmente, usa como moeda o euro, ainda que a república não esteja integrada nem na União Europeia nem na Eurolândia.

O governo montenegrino tem vindo desde então a desenvolver uma política predominantemente pró-independentista. No entanto, sucessivos referendos acerca dessa matéria foram adiados, pelo que muitos apoiantes da independência começaram a perder a esperança na sua causa.

Em 2002 a Sérvia e o Montenegro assinaram um novo acordo no tocante à cooperação dentro da federação. No ano seguinte, com o patrocínio da União Europeia, o país Jugoslávia desapareceu formalmente dos mapas e deu lugar a um nova entidade chamada Sérvia e Montenegro, com o projeto de o Montenegro realizar um referendo sobre a independência até 2006.

O governo de Đukanović; tem entretanto estado sob intensa pressão, devido a escândalos envolvendo, designadamente, o tráfico de mulheres moldavas. O Escândalo Moldavo, como foi chamado na mídia montenegrina, envolveu mesmo altas figuras da República, como Zoran Piperovic.

Independência de Montenegro

Em 12 de Julho de 2004, o parlamento montenegrino adoptou uma nova bandeira, hino e dia nacional, como parte do programa de crescente independentização face à Sérvia. A nova bandeira é idêntica à do antigo Reino do Montenegro, vermelha com uma bordadura de amarelo, e carregada ao centro com as armas de Nicolau I (diferindo desta apenas pela inexistência do monograma NI, das inicias do nome do soberano, presentes no antigo brasão de armas).

O 13 de Julho foi decretado o dia nacional , para comemorar o preciso dia em que, pelo Tratado de Berlim, o Montenegro foi reconhecido como o 27.º Estado independente do Mundo.

O parlamento escolheu também o popular Oj, svijetla majska zoro (Oh, brilhante alvorecer de Maio) como hino nacional montenegrino.

O Montenegro realizou um referendo no dia 21 de Maio de 2006 para determinar se se tornaria um estado independente ou se continuaria a fazer parte da actual união com a Sérvia. A independência do Montenegro saiu vencedora por 55,5% dos votos, 0,5% acima do limite mínimo exigido pela União Europeia para reconhecer o novo estado.

No dia 3 de junho de 2006, Montenegro declarou sua independência à Sérvia, e no dia 5 de junho, a Sérvia declarou independência, pondo fim ao ex-estado europeu da Sérvia e Montenegro.

O pequeno Estado balcânico do Montenegro tornou-se no dia 28 de Junho de 2006 o 192º país-membro da ONU (Organização das Nações Unidas), menos de um mês depois de ter proclamado sua independência.
A independência do Montenegro foi reconhecida pela União Europeia, Estados Unidos, China, Rússia e outros países.

Geografia de Montenegro

Montenegro é uma pequena e montanhosa república situada nos Balcãs, no Sudeste da Europa, fazendo fronteira com o Mar Adriático a Sudoeste, com a Albânia e o Kosovo a Sudeste, com a Bósnia e Herzegovina e uma pequena fronteira com a Croácia a Oeste, e com a Sérvia a Norte. A sua capital é a cidade de Podgorica.

O relevo montenegrino varia de altos picos montanhosos nas fronteiras com Albânia e Sérvia, passando por segmentos de Carste no Oeste da Península Balcânica, até uma estreita faixa plana no litoral. A parte plana transforma-se abruptamente nas montanhas presentes à beira da Baía de Kotor como o Monte Lovćen e o Monte Orjen.

A principal região de Carste em Montenegro alcança em média elevações de 1.000 metros acima da linha do nível do mar; entretanto, em algumas partes, chegam bem próximos de 2.000 metros, como o Monte Orjen (1.894 m), o maior maciço entre a cadeia de montanhas da costa montenegrina. O vale do Rio Zeta, possui o mais baixo segmento, alcançando cerca de 500 metros.

As montanhas de Montenegro incluem algumas das áreas mais acidentadas na Europa. Elas possuem média superior a 2.000 metros em elevação. Um dos cumes mais carcterísticos é o Bobotov Kuk nas montanhas Durmitor, cuja altura chega a 2.522 metros. A cadeia de montanhas dessa região foi uma das mais erodidas na Península Balkanica durante o último período glacial.

Demografia

Abaixo seguem informações sobre a demografia de Montenegro.
Composição étnica segundo o censo de 2011:
• montenegrinos: 267,669 (43.16%)
• sérvios: 198,414 (31.99%)
• bósnios: 48,184 (7.77%)
• albaneses: 31,163 (5.03%)
• muçulmanos: 24,625 (3.97%)
• croatas: 6,811 (1.10%)
• ciganos: 2,601 (0.42%)

O estatuto dos montenegrinos enquanto grupo étnico diferenciado dos sérvios é matéria de controvérsia entre os especialistas.

De acordo com a Constituição de Montenegro, a língua oficial é o sérvio, na forma ijekavian. Segundo o censo de 2003, mais de 60% da população afirmava usar o sérvio como língua materna, enquanto que apenas 21,53% declarou o montenegrino. Os dialectos usados são iguais, e muito semelhantes aos que os sérvios usam na Bósnia e Herzegovina.

Religião

Quanto à religião, em 2003, aquando dos censos realizados, 77,7% dos montenegrinos declararam-se cristãos, na sua maioria seguidores da Igreja Ortodoxa (74,2%), segue-se a comunidade muçulmana (17,7%) e os seguidores da Igreja Católica Romana (3,5%). Outras religiões são seguidas por 0,6% da população, 1% declaram-se ateus e a religião de 3% da população do Montenegro é desconhecida.

Resumindo, os maiores grupos religiosos do país são:
• Igreja Ortodoxa - 460,383 (74.24%)
• Islão - 110,034 (17.74%)
• Igreja Católica Romana - 21,972 (3.54%)

Economia

Apesar de não pertencer à União Europeia, o Montenegro resolveu adotar o Euro como moeda após sua independência, em 2006. Durante o domínio iugoslavo, o país experimentou uma rápida urbanização e industrialização, apoiada na geração de energia hidrelétrica, na mineração (alumínio, carvão etc.), na indústria florestal e na indústria têxtil. A isto somou-se a industrialização de cigarros e ao turismo, em fins da década de 1980. Montenegro ainda não tem uma unidade monetária definida. A introdução do euro foi priorizada em 2002 e o Marco alemão foi a moeda de facto em todas as transações privadas e bancos.

Turismo em Montenegro

Montenegro tem como uma de suas principais atividades econômicas atuais, o turismo. Pelas suas costas pitorescas, suas regiões montanhosas exuberantes e por sua excelente posição estratégica em plenos Bálcãs, Montenegro é um destino altamente procurado pelos turistas no Leste Europeu. Durante o regime em que o país estava sob domínio iugoslavo, principalmente nos anos oitenta, o turismo no país passou a ser investido e essa área cresceu rapidamente no setor financeiro. A belíssima e incrível cidade de Kotor, as bocas de Cattaro e a preservada cidade histórica de Budva são os destaques do país na região da costa norte. Na região da costa sul, vale a pena visitar a cidadezinha de Ulcinj, a magnífica cidade de Bar e o exburante Lago Escútare. Na região central, seus pontos turísticos mais surpreendentes são: o Monastério de Ostrog, a cidade histórica de Cetinje e o monte Lovćen, uma formidável montanha. E, finalmente, na região norte, o parque nacional de Durmitor e a floresta exuberante de Biogradska Gora são seus destaques principais.

Bijelo Polje

Bijelo Polje
Bijelo Polje

Herceg Novi

Herceg Novi

Herceg Novi

Nikšić

Nikšić
Nikšić

Pljevlja

Pljevlja

Pljevlja

 Podgorica, Capital de Montenegro

Podgorica, Capital de Montenegro

Posts Relacionados